O que é Lean Startup

Lean Startup é uma abordagem científica para lançar uma startup, com base em dados e feedbacks de usuários que orientam e aceleram o desenvolvimento iterativo do produto. Saiba como funciona e como aplicar.

Segundo uma pesquisa da Harvard Business School, 75% de todas as startups fracassam. Um dos principais motivos desta estatística nada promissora é o modelo de gestão dessas startups.

Neste sentido, uma das metodologias que mais tem impactado positivamente novas startups e recentemente as empresas mais tradicionais é o Lean Startup (ou Startup Enxuta, na tradução para português). 

Este conceito chegou para substituir a tradicional, antiga e ineficaz abordagem para o lançamento de novos produtos e negócios.

Mas o que é a “abordagem tradicional”? 

Me refiro ao velho processo que muitos empreendedores infelizmente ainda adotam que passa pela elaboração de um plano de negócios (ou business case) contendo detalhes e previsões de resultados de 4 ou 5 anos.

Este “plano” passa por alguma aprovação para arrecadar fundos e inicia-se então o desenvolvimento do produto. Após meses e meses de desenvolvimento sem coleta de feedbacks, o produto é então entregue ao mercado, e adivinha!? Ninguém quer usá-lo.

Já a metodologia Lean Startup começa identificando um modelo de negócios através de testes de hipóteses e feedbacks contínuos com os clientes, iterando e adaptando seu produto ao longo do tempo. 

Desta forma, Lean Startup é uma abordagem extremamente eficaz para reduzir riscos de desperdício de dinheiro, tempo, evitando construir algo que ninguém vai usar.

Continue lendo e saiba saiba de onde veio e como adotar esta metodologia.

Quais as Diferenças Entre Lean Startup e o Modelo Tradicional de Negócios?

Você pode estar se perguntando qual é a origem da metodologia Lean Startup. O criador deste movimento é Eric Ries, empreendedor do Vale do Silício. Seu livro publicado em 2011 se tornou um grande sucesso no mundo dos negócios.

Após falhar em alguns dos seus próprios empreendimentos, Eric percebeu que havia algo fundamentalmente errado no modelo de gestão de empresas que querem inovar.

Um dos insights de Eric ao estudar as empresas foi que os modelos de gestão adotados pela maioria delas pressupõe que os problemas e a solução são ambos conhecidos. 

Isto está longe de ser verdade para uma empresa que quer lançar um produto novo no mercado!

Problema conhecido, solução conhecida

Eu me formei em Ciências da Computação no ano 2000. Confesso que tenho saudades daquela época na UNESP de Rio Claro/SP. 

Naquela época, uma das coisas que aprendi (sim, já estou ficando velho) é que o processo de desenvolvimento de um produto deve seguir os passos mostrados pela imagem abaixo:

Como adotar a metodologia lean startup

Este é o famoso processo waterfall (ou cascata), no qual o sucesso significa avançar para as próximas etapas do fluxo descrito. Muitas empresas ainda adotam esta abordagem para o desenvolvimento de seus produtos.

Mas qual o problema desta abordagem?

Bem, dependendo do seu contexto, nenhum! O modelo waterfall funciona bem em situações nas quais ambos o problema é a solução são bem conhecidos.

Se você vai construir algo muito parecido com o que já foi feito no passado em um ambiente de baixa incerteza, sem problemas.

Porém, quando se trata de desenvolver um novo produto em meio à incerteza e volatilidade, este processo cascata irá garantir que você faça o produto da forma certa, no prazo, dentro do custo e até com qualidade, mas ninguém irá se interessar pelo produto.

Ao observar empresas líderes da manufatura como a Toyota, vemos que eles já abandonaram faz tempo essa abordagem linear e antiga de desenvolver produtos.

Grandes nomes como Taiichi Ohno e Edwards Deming foram responsáveis pelo surgimento da manufatura enxuta (Lean Manufacturing), que serviu como grande inspiração anos depois para os métodos ágeis e para o próprio movimento Lean Startup.

Problema conhecido, solução desconhecida

Para tornar o processo de desenvolvimento de produtos mais eficaz diante de uma crescente incerteza, surgiu o movimento ágil (ou Agile). 

Progresso, segundo o Manifesto Ágil, escrito em 2001, é “software funcionando”. Inclusive, um dos princípios do Manifesto Ágil é:

“Software funcionando é a medida primária de progresso.”

A filosofia ágil, muito popularizada por frameworks como XP e Scrum, foi uma contribuição gigantesca para o desenvolvimento de produtos. 

Empresas que tinham um problema claro, mas cuja solução é incerta, poderiam então adotar os valores, princípios e práticas ágeis de desenvolvimento de produtos para ter mais sucesso, trabalhando de forma iterativa e incremental.

Problema desconhecido, solução desconhecida

Embora os métodos ágeis tenham de fato revolucionado o mundo de desenvolvimento de produtos, eles pressupõem que existe alguém que consegue responder todas as questões de design e produto para os times se desenvolverem. 

Esse “alguém” é comumente encontrado nas empresas nos papéis de Product Owner ou Product Manager.

Acontece que no mundo do empreendedorismo, essa premissa não existe! 

Não sabemos o que o cliente quer. Podemos sim levantar algumas hipóteses para o produto e para o negócio, mas não existem certezas. 

Pelo contrário! O problema é desconhecido e a solução também.

Eric percebeu que a forma como muitas empresas desenvolvem seus produtos está fundamentalmente errada e que grande parte da energia investida em empreendimentos e inovação é um grande desperdício de tempo para muita gente.

Uma das provocações de Eric Ries é que muitas empresas, mesmo adotando metodologias ágeis, demoram 6 meses ou mais para construir um produto e validar junto aos clientes. 

Segundo Eric, ficar discutindo backlog, roadmaps, features e bugs durante 6 meses é um grande desperdício de tempo das pessoas.

Talvez tempo e dinheiro não seja um problema em grandes corporações, mas uma startup existe para identificar rapidamente um negócio que seja sustentável, e não para desperdiçar tempo e dinheiro.

Em meio à complexidade e incerteza, toda a teoria da gestão tradicional do século passado (e que é ainda ensinada em muitos MBAs) não tem mais utilidade.

Para ajudar a endereçar este cenário de startups, nos quais as soluções e problemas são desconhecidos, Eric Ries desenvolveu a metodologia Lean Startup

Receba uma consultoria de OKR completa e personalizada. Saiba como!

O Que É Lean Startup?

Eric Ries foi fortemente influenciado pelos conceitos de Lean Manufacturing, Customer Development, Métodos Ágeis, Devops e Design Thinking aplicados à inovação e ao empreendedorismo.

Na visão dele, empreendedorismo significa aplicar gestão com aprendizado mensurado.

Neste sentido, é preciso investir energia tentando buscar quais são os clientes certos e descartando os que não interessam, sempre medindo se estamos ou não tendo progresso.

A definição de startup, segunda David Blank é:

Startup: uma organização temporária projetada para buscar um modelo de negócios escalável e repetível.

A frase abaixo é a definição de startup segundo Eric Ries (tradução livre):

Startup: uma instituição humana projetada para criar algo novo em condições de extrema incerteza.

Veja que essas definições não falam nada sobre o tamanho da empresa, setor ou indústria. Desta forma, se você está operando em um ambiente de incerteza, você está empreendendo.

A filosofia mais importante do Lean Startup é que uma startup por si só é um experimento! Você tem uma hipótese que quer testá-la através de seu experimento.

Neste sentido, ao invés de construir o melhor produto possível no início, criam-se hipóteses, e para cada uma delas define-se qual o experimento a ser feito e validado, da forma mais simples, barata e rápida possível. 

Na metodologia Lean Startup, esses experimentos são chamados MVP (Minimum Viable Product). No fundo, o Lean Startup sugere que:

  • clientes sejam considerados logo no início do processo de desenvolvimento do produto;
  • exista processo científico de tomada de decisão, com base em dados;
  • a startup foque não na perfeição e qualidade do produto, mas na velocidade de melhoria dele.

Assim, a medida de progresso e sucesso não é mais “software funcionando”, mas aprendizado validado.

Quais os Princípios do Lean Startup?

Existem alguns princípios que embasam a metodologia Lean Startup. Vejamos quais são eles.

Empreendedores estão por toda a parte

Veja só o que aconteceu com a pandemia do coronavírus (COVID-19). Muitos de nós tivemos que nos adaptar para criar algo novo (um produto ou serviço) para dar sobrevida aos nossos negócios neste contexto de grande incerteza.

É exatamente isso que uma startup faz. Porém, este conceito pode ser aplicado a qualquer empresa, incluindo empreendedores e intraempreendedores das grandes multinacionais que querem inovar e muitas vezes não conseguem, pois seu modelo de gestão não permite.

Empreender é gerenciar

Uma outra provocação que Eric faz é que empreendedor deveria ser um cargo nas empresas que desejam inovar. 

Além disso, empreender requer muita gestão, mas não a gestão do século passado como falamos anteriormente.

É preciso um modelo de gestão ágil, flexível, que permita reações rápidas a mudanças, com base em dados e permitindo que os times façam experimentos dentro de condições aceitáveis de risco.

Aprendizagem validada

Além de ganhar dinheiro e satisfazer clientes, startups existem para aprender a construir um negócio sustentável. É preciso conduzir experimentos, avaliar os resultados e basear todas as decisões futuras em dados relevantes. 

Construir - medir - aprender

Para transformar ideias em produtos, avaliar o comportamento dos clientes e corrigir a rota no menor tempo possível, é preciso ter um processo eficaz.

Este processo é o Construir - Medir - Aprender (Build - Measure - Learn, em Inglês).

A imagem abaixo ilustra o processo do Lean Startup. O objetivo é minimizar o tempo para dar uma volta neste loop.

Lean Startup OKR

Uma forma muito eficaz de potencializar este princípio na prática é através da adoção do OKR (Objectives and Key Results)

A cada iteração do loop você pode definir OKRs e medir o resultado do MVP. Bons OKRs ajudam a medir MVPs através de indicadores para startups.

O que muda ao adotar Lean Startup?

A seguir eu resumi as principais diferenças entre a abordagem Lean adotada por startups e a abordagem tradicional de gestão:

Como pensam a estratégia

Lean

Baseado na elaboração de um modelo de negócio inicial e direcionado à hipóteses.

Tradicional

Baseado em um plano de negócios direcionado à implementação e conformidade ao plano.

Qual o processo para novos produtos

Lean

Baseado em Customer Development. Ir "para a rua" testar as hipóteses. 

Tradicional

Gestão tradicional de produtos com um processo passo a passo e linear.

Como reportar financeiro & accounting

Lean

Uso de métricas que fazem sentido, como CAC, LTV, churn, etc.

Tradicional

Contabilidade tradicional, cash flow, etc.

Como lidam com o erro

Lean

Erros são esperados e corrigidos aprendendo a cada iteração e pivotando.

Tradicional

Erro é exceção e leva a demissões.

Como Adotar a Metodologia Lean Startup em 4 passos?

Mas como implementar a metodologia Lean Startup em uma empresa? Onde começar com a implementação?

1) Criar um modelo de negócio

O primeiro passo é criar o seu modelo de negócio. Isso pode ser feito, por exemplo, através do Business Model Canvas

Uma vez que os empreendedores têm um modelo de negócio inicial e hipóteses baseadas em suposições, o próximo passo é aplicar o loop do Lean Startup, conforme os 3 passos abaixo:

2) Construir o MVP (Build)

Inicialmente você irá construir seu MVP. Trata-se da versão mínima viável do seu produto que lhe permite obter aprendizado para evoluir. O MVP deve ser validado junto aos clientes/usuários, através de testes. 

3) Medir (Measure)

Em seguida, é preciso medir os dados coletados e transformá-los em insights. Neste passo é importante coletar todos os dados relevantes, principalmente com relação ao comportamento do cliente no seu produto.

3) Aprender (Learn)

O loop termina na etapa de aprendizado, ou seja, aprender sobre as necessidades dos clientes, prosseguir ou pivotar. Este processo não é trivial e requer muita análise e alguma estatística para apoiar.

Esse ciclo se repete e certamente ajuda a economizar tempo e dinheiro. 

O que é “Pivotar”?

“Pivotar” significa mudar de estratégia sem mudar a visão. Em outras palavras, significa mudar a direção mas continuar baseado no que aprendemos.

Assim, o que se busca ao empreender com uma startup é reduzir ao máximo o tempo entre os pivoteamentos, aumentando as chances de sucesso antes do dinheiro acabar. E isso isso se faz com aprendizado validado!

Em uma cultura de startup, não queremos celebrar falhas, mas celebrar pivoteamentos que corrigem a rota e fogem da falha. Percebe a questão cultural aqui?! 

Você provavelmente já usou um GPS para chegar a algum destino. Quando você entra no carro, você não pergunta pro GPS “Para onde vamos?”. 

Você configura seu destino e o GPS ajuda a chegar lá, mudando a estratégia se precisar (o caminho).

Por exemplo, o aplicativo Flickr, antes de ganhar popularidade, era um jogo online que possibilita fazer uploads de fotos. Após um tempo sem sucesso, eles focaram somente na parte de upload de fotos e tornaram o produto mundialmente conhecido.

A Paypal, antes de ser a gigante que conhecemos hoje, era uma empresa de criptografia e segurança da informação para Palm Pilots e outros dispositivos PDA.

São várias as empresas de sucesso que pivotaram para estratégias radicalmente diferentes, mas sem perder sua visão.

Quais as Vantagens do Lean Startup para Startups?

Em primeiro lugar, Lean Startup é um modelo simples de compreender e comunicar para todos na organização, indo na contramão da burocracia existente em métodos mais tradicionais. 

Sua simplicidade abre espaço para que cada startup utilize as práticas que achar melhor em cada etapa, contanto que busque sempre minimizar o tempo total.

Em segundo lugar, o Lean Startup incentiva o pensamento crítico. Isso ocorre pois a coleta de dados e tomada de decisão com base em dados é um princípio chave. 

Por fim, a metodologia ajuda muito a empresa a crescer de forma sustentável e adaptável, construindo uma organização verdadeiramente ágil.

Treinamento de OKR introdutório e gratuito
Como obter alinhamento, foco e agilidade com OKR


Conclusão

O papel dos líderes e empreendedores modernos é disponibilizar um ambiente, uma plataforma que permita seus times fazerem experimentos e arriscar novas ideias. 

Para isso, a metodologia Lean Startup é muito poderosa, pois ajuda empresas a decolar com rapidez e sucesso, reduzindo riscos de falhas iniciais.

Cursos de MBA, escolas de negócios e universidades estão incorporando esses conceitos em seus currículos. Grandes empresas como a GE, Qualcomm e Intuit estão aplicando o Lean Startup como método de inovação interna.

E você? O que te impede de aplicar este conceito no seu negócio e no seu produto?

Thomaz Ribas OKR

Sobre Thomaz Ribas 

Ele é especialista em OKR e Agilidade para os Negócios, consultor, facilitador e coach empresarial. Thomaz atua lado a lado com executivos, líderes e equipes, desde startups até grandes multinacionais, guiando-os na sua jornada rumo a abordagens de gestão mais ágeis e eficazes, para que possam prosperar nesta nova economia.

Saiba mais

Guia Introdutório de OKR

Mais acessados

Outros temas relacionados

O mercado tem mostrado que, para prosperar, as empresas precisam conseguir gerar novas ideias ...

Customer Development é um caminho eficaz para startups que desejam identificar modelos de negócio ...

O Business Model Canvas (BMC) é uma ferramenta que nos ajuda a construir modelos ...

Quer receber conteúdos como esse gratuitamente?

Inscreva-se para receber nossos conteúdos diretamente no seu email e ficar por dentro das novidades.

>