• Home
  • »
  • Blog
  • »
  • Gestão
  • »
  • Competências Organizacionais: Tipos e Como Criar [GUIA]
competencias-organizacionais-tipos-e-como-criar-guia-completo

Todo mundo sabe que, o sucesso de qualquer empresa, não depende apenas do CEO e da diretoria. Cada colaborador tem, sim, potencial transformador. Mas, afinal, como fazer a diferença? É sempre muito válido observar a si mesmo e o trabalho ao seu redor. Nesse exercício, você pode ter o insight das competências organizacionais. 

Essas duas palavras significam a base do negócio para que ele caminhe em equilíbrio. A partir disso, obviamente, fica muito mais fácil chegar ao topo. 

Quer saber mais? 

Então, aproveite este conteúdo feito especialmente para você que deseja ajudar os seus liderados e a empresa como um todo! 

Destrave o potencial da sua empresa e conquiste melhores resultados. Inscreva-se agora em meu treinamento introdutório de OKR gratuito.

O que são Competências Organizacionais?

o-que-sao-competencias-organizacionais

Antes de tudo, é importante entender perfeitamente a junção das duas palavras. 

Então, qual o conceito de competência organizacional?

É o conjunto de conhecimentos e habilidades coletivas de uma empresa para gerar benefícios para o negócio e para os clientes. Dentro desse contexto, podem estar os seguintes elementos: 

  • cultura, valores e missão;
  • modelo de negócio;
  • produtos;
  • processos e projetos;
  • gestão de pessoas;
  • entre outros. 

Tudo isso envolve todas as áreas da instituição. Mais do que isso, as competências promovem o destaque da empresa no mercado e, consequentemente, o grande sucesso. 

Competências Organizacionais e Profissionais: há diferença?

É muito comum haver confusão entre competências organizacionais e profissionais. Mas vale ressaltar que há, sim, diferença entre os dois tipos. 

As competências profissionais são aquelas atribuídas individualmente. Por exemplo, um analista de RH precisa ter

  • boa comunicação;
  • capacidade analítica;
  • visão humana sobre indivíduos e processos;
  • empatia;
  • conhecimento a respeito de departamento pessoal;
  • entre outros atributos. 

Já as competências organizacionais são aquelas pensadas e praticadas em conjunto — seja por uma equipe ou pela empresa toda — de modo a alcançar os objetivos maiores

Os líderes e a direção da empresa precisam estar atentos às duas variações, uma vez que elas fazem parte da gestão de competências. 

Então, na hora de fazer uma contratação ou, ainda, de definir processos para o time, tenha a certeza de que todos estão remando para a mesma direção. 

Como criar competências de forma estratégica?

O desenvolvimento de competências depende de uma visão macro. 

Desse modo, analise quais são as habilidades e formas de operação praticadas, hoje, e quais são os resultados esperados. Faça uma comparação entre eles.

O que falta para chegar a uma rotina mais eficiente e, consequentemente, a resultados melhores? 

Pode ser que você, por exemplo, tenha que redefinir ou fazer pequenos ajustes nos produtos e/ou serviços oferecidos. 

Muitas vezes, as empresas também precisam ir ainda mais fundo… 

Existem casos em que é interessante fazer uma nova pesquisa de mercado, mudar ou ajustar o público-alvo, o planejamento estratégico, etc

Tipos de Competências Organizacionais

tipos-de-competencias-organizacionais

Não basta saber o que é competência organizacional, também é necessário ter em mente que há três variações e, claro, você também precisa conseguir diferenciá-las. Veja!

Competências Organizacionais Básicas

São chamadas assim aquelas que garantem a existência e manutenção da empresa. Sendo assim, fazem parte da base dos negócios.

Competências Organizacionais Essenciais

Já as competências essenciais referem-se à invenção de determinado produto ou serviço

Competências Organizacionais Seletivas

Por sua vez, as seletivas fazem parte do diferencial da empresa. Ou seja, são os pontos que colocam o negócio à frente da concorrência, e fazem com que os clientes reconheçam valor. 

Exemplos de Competências

Vamos usar dois exemplos para dar ainda mais clareza sobre o assunto. 

O primeiro caso é de uma empresa prestadora de transporte individual por aplicativo. 

Nesse caso, a competência essencial está ligada à inovação do serviço de transporte urbano acionado por app próprio. 

Já as competências seletivas podem ser, por exemplo: menor custo de corridas, cuidado maior no atendimento dos motoristas e a maior disponibilidade de carros — tudo aquilo que outras empresas do ramo não tenham. 

O segundo exemplo é o de banco digital. 

Nesse exemplo, a competência essencial é a criação de serviços bancários feitos, exclusivamente, pela internet. 

As competências seletivas podem ser, por exemplo: rapidez na liberação da conta para novos clientes, maiores taxas de rendimento de poupança, maior número de TEDs e DOCs gratuitos — desde que todos esses não sejam oferecidos pela concorrência. 

Competência Organizacional e OKR: Como se completam?

Vale sempre lembrar que os OKRs são formados por objetivos e resultados-chave. O primeiro, então, funciona como um destino (onde queremos chegar), já o segundo é como se fosse um GPS que guia até o local desejado, corrigindo a sua rota no caminho. 

A empresa que consegue definir os OKRs, consequentemente, tem mais clareza para o desenvolvimento de competências básicas, essenciais e seletivas

Afinal, quando se sabe onde e como chegar, fica mais fácil definir as habilidades e competências de toda a empresa. 

Como as empresas vêm lidando com o Desenvolvimento e Gestão de Competências

De acordo com o livro “Competindo Pelo Futuro: Estratégias Inovadoras Para Obter o Controle do seu Setor e Criar os Mercados de Amanhã”, escrito pelos administradores, C. K. Prahalad  e Gary Hamel, as empresas até sabem o que elas têm como principal benefício. 

Mas, apesar disso, costumam ter dificuldades na hora de alinhar competências com o desenvolvimento de produtos e serviços competitivos. 

Sendo assim, as instituições reconhecem a necessidade de focar em pontos fortes, só que não conseguem traçar uma rota até os objetivos. 

Então, se você souber praticar as competências organizacionais, já pode garantir uns pontos à frente da concorrência

Dicas para desenvolver Habilidades Organizacionais Vencedoras

Além da visão macro e, muitas vezes, do ajuste de modelo de negócios, visão, valores e cultura da empresa, também vale praticar outras ações. 

Aposte mais no conhecimento sobre a persona do negócio. O que será que ela realmente espera do produto ou serviço? O que falta para alcançar a excelência? 

Com base nessa noção, também é muito interessante reforçar as competências e tarefas do time de marketing. Afinal, é ele que mostrará o que é vendido como um destaque, algo imperdível para as pessoas. 

Outra dica é dar mais espaço de criação para os colaboradores. Inúmeras vezes, essas pessoas enxergam pontos de melhoria que a própria diretoria da empresa não vê. 

É claro que a capacitação e o treinamento delas também é essencial para alinhar competências individuais e coletivas. 

Também busque sempre inovações, isso porque, uma grande invenção, hoje, pode se tornar uma ação comum das empresas amanhã. 

Isso quer dizer que, no mercado, é preciso se reinventar e criar diferenciais sempre. 

Conclusão

Ser um destaque em um mercado tão competitivo, sem dúvidas, é uma tarefa desafiadora. Mas isso não significa a impossibilidade. 

Quando há o entendimento de competências organizacionais — ou seja — o que sustenta e torna a empresa como um diferencial, o trabalho se torna mais prático. 

Nesse processo, também não dá para esquecer o treinamento e a autonomia dos funcionários. Além disso, a definição de OKRs e do planejamento estratégico. 

O primeiro ponto, agora, você já tem: a explicação sobre as competências. 

Então, quais serão os seus próximos passos? Comece hoje mesmo a fazer a diferença para a sua empresa! 

Leia também: Entenda como definir OKRs e boas práticas para adotar em sua empresa!

>