Como manter a sua equipe motivada

Como manter uma equipe motivada? Na condição de gestores, procuramos sempre compreender o que motiva cada indivíduo em nossa equipe.

Os gestores muitas vezes são encorajados a adotar a velha abordagem da cenoura e da varinha para motivação, em que a cenoura é uma recompensa (em geral financeira) pelo resultado e a varinha é uma consequência do não atingimento do resultado.

Dê às pessoas mais dinheiro e elas terão mais motivação e melhor desempenho, certo?

Na verdade não.

Por que não considerar outra maneira de motivar nossas equipes? Eu acredito muito que a motivação não tem a ver com funcionários fazendo um ótimo trabalho, mas sim com pessoas se sentindo bem com o trabalho que fazem.

Em seu livro Drive: The Surprising Truth about What Motivates Us, o autor Daniel Pink deixa pra trás o mindset tradicional de gestão e desvenda o que realmente motiva as pessoas.

Pink começa com um estudo envolvendo oito macacos no ano de 1949. Os cientistas lhes deram quebra-cabeças mecânicos e observaram suas reações. Eles ficaram surpresos ao descobrir que os macacos brincavam com os quebra-cabeças atentamente sem qualquer recompensa externa. Em pouco tempo, eles passaram a resolvê-los em até 60 segundos.

Isso deixou os cientistas curiosos. Na época, a visão de comportamento tratava de dois impulsos motivacionais.

O primeiro era o impulso biológico interno para sobreviver (comer, beber e promover as espécies). Claramente, resolver o quebra-cabeça não resultou em nenhuma dessas coisas. O segundo impulso era extrínseco: a promessa de recompensa ou punição por fazer algo.

Mas os macacos não recebiam recompensa nem castigo e mesmo assim resolviam os quebra-cabeças demonstrando foco e satisfação!

Tinha que haver algum outro impulso, no qual eles encontrassem prazer e recompensa.

Curiosamente, quando os cientistas começaram a recompensar os macacos pela solução do quebra-cabeça, dando-lhes passas, os macacos cometiam mais erros e resolviam corretamente com menos frequência. A abordagem de recompensa e punição na verdade piorou as coisas.

Autonomia, domínio e propósito

Segundo Abraham Maslow e sua famosa Hierarquia das Necessidades, a necessidade de comida, água e abrigo deve ser satisfeita primeiro, depois a necessidade de coisas como segurança, pertencimento, estima e finalmente autorrealização.

A ideia de Maslow era que o homem geralmente não era motivado pelas necessidades de nível mais alto até que as inferiores fossem atendidas.

Porém, Daniel Pink teve um olhar mais atento ao topo da hierarquia de Maslow. Ele verificou que, no mundo moderno, quando as necessidades básicas são satisfeitas, o poder do dinheiro como recompensa desaparece e é substituído por três estimulantes bem mais poderosos:

Autonomia (autonomy), mestria (mastery) e propósito (purpose).

Propósito

Não há motivação mais forte para as equipes do que a compreensão de que seu trabalho é importante e relevante para alguém. Na condição de líder, comece compartilhando o contexto sobre o trabalho que você está solicitando para as equipes. Para isso, responda a perguntas como:

“O que estamos fazendo como organização e como equipe?”

“Por que estamos fazendo isso?”

“Quem se beneficia do nosso trabalho e como?”

Pessoas são motivadas quando o trabalho delas tem relevância!

Autonomia

Autonomia significa estar empoderado para definir como o trabalho será feito, com base em um direcionamento (visão) pré-determinado. Equipes autônomas são auto-organizadas e isso aumenta a motivação dos indivíduos.

Se a empresa fornece claro direcionamento dos objetivos estratégicos e deixa por conta das equipes as definições sobre como o trabalho será organizado, a agilidade organizacional tem caminho aberto para crescer, juntamente com a motivação das pessoas.

Mestria

Mestria é o desejo que temos de nos tornarmos cada vez melhores naquilo que fazemos. Para fomentar a mestria, o líder pode estimular experiências que fazem com que as pessoas tenham mais momentos de flow.

Flow é um termo cunhado pelo psicólogo Mihalyi Csikszentmihalyi para descrever o equilíbrio ideal de uma pessoa entre o tédio (a tarefa fica aquém de nossas capacidades) e a ansiedade (a tarefa excede nossas capacidades). É o estado mental em que as pessoas se sentem engajadas e trabalhando no seu melhor.

Quando uma empresa investe em treinamentos significativos, promove encontros para discussões de temas de interesse comum ou permite que parte das horas da semana sejam investida em  estudos ou pesquisas em busca de alguma inovação, ela está fomentando momentos de crescimento e flow. Consequentemente a motivação dos indivíduos aumenta.

Da mesma forma, trazer desafios para as equipes é uma excelente forma de motivação. Pessoas são motivadas pela busca de serem as melhores versões de si mesmas, e o caminho rumo a uma meta desafiadora fará com que  precisem fazer algo diferente, gerando a motivação intrínseca para o sucesso.

Nesta animação incrível, Daniel Pink explica um pouco mais sobre suas descobertas com relação à motivação.

Avalie a sua própria motivação

E se tudo isso já faz parte do seu dia a dia, mas você ainda está lutando para motivar as pessoas? Avalie a sua própria motivação.

Se você não está envolvido e entusiasmado com sua empresa, sua equipe ou com o trabalho que realiza, é improvável que seja um grande motivador para os outros. Portanto, pergunte a si mesmo:

De quais aspectos do seu papel você gosta?

O que te deixa orgulhoso por liderar sua equipe?

Que impacto você e sua equipe podem ter em outras pessoas ou empresas?

Como você pode adaptar seu papel para aumentar sua energia e entusiasmo?

As equipes mais engajadas são as que percebem que seus líderes têm uma conexão genuína com o trabalho.

A velha técnica de recompensa e punição não tem sido mais eficaz para gerar motivação nas pessoas, então pense duas vezes antes de torná-la uma ferramenta de gestão. As pessoas podem realmente encontrar sua motivação se seu trabalho envolver autonomia, mestria e propósito.

Propósito pode ser o tema mais importante. As pessoas querem fazer coisas que importam. Como líder, se você puder vincular o que sua equipe está fazendo a um claro porquê, você terá a ferramenta motivacional mais poderosa de todas.

 

Grande abraço,

Thomaz Ribas

 

“O propósito da vida é viver uma vida com propósito.” – Richard Leider

CADASTRE-SE NA LISTA VIP

Fique tranquilo(a). Entraremos em contato o quanto antes!

You have Successfully Subscribed!